quarta-feira, março 07, 2007

Amo-te


Não tive tempo de escrever um post novo... ontem estive ausente da blogoesfra...
E como de poetas e de atletas... todos temos um pouco... nem que seja apenas o pé de atleta... hoje deixo apenas um poema, espero que gostem.
Amo-te

Longos e amargos são os dias
Que meus braços não te tocam
Cheios de espinhos esses dias
Que teus braços não me alcançam

Escreveste teu nome algures
Entre minha alma e coração
Agora quero que me segures
Com certeza pura e sem razão

Teu dia virá na onda
Irada insana e revolta
na areia estarei deitada
simplesmente na espera

que termines tamanha tormenta
me beijes com toda tua ternura
segura forte minha mão
pois já possuis minha paixão

in 09/07/2004
(Para que não restem duvidas quanto ao Autor) BY PESTE
 
posted by Peste at 9:32 da manhã, |

11 Pestinhas:

  At 9:40 da manhã Blogger SAM said:
Ai quisto já ta a parecer uma telenovela mexicana!!
lOLOLOLOLOLOLOLOLOLOLOLOL

é teu? está muito bonito!

beijo gande gande!
Ah « ganda » Pestão que a soubeste levar bem... quem escreve assim...

;-)

Beijos para a minha vizinha.
Cá para mim, este poema é só para apaziguar a fúria do Pestão, antes que ele desligue o blog onde é tão mal tratadinho...
O poema está muito bom mas eu estou chateado contigo. Já te desafiei faz mais de 13 horas e ainda não vi nada... ;)
Serei só eu a notar que o poema está carregado de problemas e falta de comunicação?!
Nessa altura as coisas deviam tar uma becazinha azedas não?
Olha, olha ! Agora a minha Querida está numa onda de amor com o homem dos seus sonhos!!!! Então era sempre a dar porrada e agora é assim?!
Gosto de mulheres assim como tu sabias? Adoro-as...Falam, barafustam, ameaçam pôr as malas à porta, mas, depois, parecem uns cordeirinhos mansos, aninham-se e nós... pimba.
Quando elas pedem um abraço ou um beijinho, nós pimba, nós pimba. Ah grande Emanuel, pimba, pimba...!

Então estás à espera da onda irada, insana e revolta?! Eh lá! Estás cheia de medo! Provavelmente, é por isso que te aninhas!!! lololololol
E logo deitada na praia! Mesmo a chover deve ser divinal fazer amor na praia e beijar-te com os lábios cheios de areia.É a forma suprema de seres amoriscada e na areia escrever o teu nome - ANA - acrescentado com cetras de amor.
Esse teu felizardo pode jogar no Euromilhões, porque já reparei, há muito tempo, que ele é um sortudo. Conseguiu um verdadeiro alinhamento das agulhas da vossa bússola colectiva e conquistou a tua paixão numa idolatria estonteante revelada neste poema onde se pode notar os teus olhos cintilantes e um sorriso cheio de encanto intenso e enternecedor.
E não é lascívia, mas amor. Amor intenso, ardente, pleno de desejo e volúpia.
Ai que este amor é tão grande como o de Pedro por Inês, uma das mais belas histórias de amor de sempre, inalterada no seu imenso fascínio.
Minha doce Ana:Um príncipe amar-te-á pelo teu colo de garça e pelos teus cabelos sedosos e as tuas fontes virão a ser cingidas por amor sem fim. A força do fogo arrebatador do teu temperamento é como a força da cascata, o rumor do mar enraivecido, o roçar do vento quando o cavalo se lança a galope. Esse teu ímpeto amoroso que te consome e te dá razão e força para tanto amar com a paixão que apregoas neste poema, encantará o teu principe como Inês encantou Pedro e tu nos encantas com a tua poesia que perdurará na nossa memória.
Um luminoso céu azul convidar-te-á ao passeio por essa praia deserta onde esperas beijos ardentes, plenos de desejo e paixão e nem o vento a soprar forte apagará do teu espírito esse teu desejo que é uma metáfora da tua própria vida.
És uma mulher dotada de um carisma especial e...encantas.
PESTE

Amo-te, com o semblante de um anjo em espera,
Com o despojo de um enclausurado monge,
Que vê na outra vida, não uma quimera,
Mas uma verdade, simples e não longe.

Amo-te como um beija-flor passando em revista,
Todas as rosas, que adoçam seu bico,
Mas cativo da que não resista,
Seu coração repleto de um amor, convicto.

Amo-te bela mulher, que quando diante,
De um espelho, este de medo treme,
Fico a te olhar como a um diamante,
Se já por ti, até ele se rende.

Amo-te como José amou,
Em seu silêncio, sonhos com Maria,
A virgem que o mundo lhe marcou,
Como faltosa de amor carnal, e não sabia.

Que por José nutria um imenso amor,
Fois seu amado, quem com ela entrou,
Nos fossos truvos, levada de ardor,
Por seu querido, Peste, eis o meu amor.

Naeno
Quem quer comentar o padre do SANDOKAN no blogue


www.lusoprosecontras.blogspot.com ?
Que poesia linda, meus amô.
Linda como a tarde que beira chegar. Linda as teçhas que chovem.

Três da madrugada, a cidade abandonada e essa rua que não tem mais fim. Nada, meu pobre coração não vale nada, essa cidade abandonada, é sempre assim...

Um beijo

Naeno
olha, a peste também é poeta! Eu já fui, mas há muito que não escrevo nada..
  At 6:08 da manhã Anonymous Anónimo said:
Hello everyone! I don't know where to begin but hope this site will be useful for me.
In first steps it is really nice if somebody supports you, so hope to meet friendly and helpful people here. Let me know if I can help you.
Thanks and good luck everyone! ;)