quinta-feira, novembro 30, 2006

Antecipação


Como já diz uma dissecação longa do natal vou passar para o carnaval...

Já que como a antecipação começa cada vez mais cedo...

Que bem que se está no campo não???!!!
 
posted by Peste at 9:29 da manhã, | 5 Pestinhas
quarta-feira, novembro 29, 2006

Natalose V – Acções de Caridade


Mas nem tudo é mau...

E o lado bom é que em todo o lado as pessoas vão-se desdobrando em caridade (isto porque receberam o Subsídio de natal)...

Por aqui e por ali hà recolhas de brinquedos... de roupa... de bens alimentares...

E como somos TUGAS e sado-maso, gostamos de ver na TV (que não exploram nada estes assuntos...não senhor...) as ditas entregas e os magnificos sorrisos que as crianças fazem ao receber seja o que for.

É... axo cada vez mais que tenho razão... tem de haver uma época por ano onde purgamos os nossos pecados.... deve ser esta... pois fazemos tudo por tudo para mostrar algo que no restante ano não se vê...
 
posted by Peste at 9:07 da manhã, | 2 Pestinhas
terça-feira, novembro 28, 2006

Natalose - parte IV


Como vivo num ponto alto... com vista sobre a cidade... também já comecei a notar que nas janelas aqui e acolá começam a surgir que nem cogumelos... luzinhas piscantes de várias cores e feitios...

Das duas uma... ou sou eu que estou a ficar velha para a coisa... ou é a malta que é accionista da EDP????

Normalmente eu faço a arvore de natal no dia 1 de Dezembro... e ainda axo que é cedo... faria se começasse em Agosto...

Cá para mim... a malta quer redimir-se das tretas que andou a fazer à malta o ano inteiro...

Andaram a lixar tudo e todos... mas para mostrar a benevolência ao Pai Natal vá de postá-la nas janelas!!!

Mas o que eu gosto mais... é a condescendência automobilística nos dias que antecedem o Natal, parece que anda tudo em “Zen” e todo o mundo deixa passar todo o mundo, ninguém buzina... enfim... coisas que no dia 26 já ninguém se lembra e anda tudo à pancada e já todo o mundo conhece as mães uns dos outros.

E ainda há quem diga... “ Natal é quando um homem quizer”...

Pois... pois... E eu sou a Mary CHRISTMAS
 
posted by Peste at 9:27 da manhã, | 3 Pestinhas
segunda-feira, novembro 27, 2006

Natalose III - Enfeites de Natal


Bem... um destes anos, estamos de férias de papo para o ar em pleno verão e começamos a ver guarda sois com bolas e enfeites de natal!!!

É impressão minha ou os enfeites espalhados pelas ruas e pelas lojas estão a começar cada vez mais cedo???!!!!

Em pleno Outubro ainda com bastante calor fiquei aterrorizada ao entrar numa loja de tranquitanas e aperceber-me que desde as bolas aos penduricálhos... tudo era relacionado com o Natal...

Fugi de lá como o diabo foge da cruz...
Não me desse por ali a tentação de começar a comprar bugigangas que não servem para nada!!!

É que eu pertenço à classe dos agarradinhos... não é do “pó”... mas é das inutilidades...

Não sei como é possível... mas quando vou para sair das lojas tenho sempre algo agarrado às mãos... parece o monópolio... “vá para a rua a passar pela casa da partida (caixa)”...

E o pior é que está lá sempre uma gaja de mãos estendidas a receber o dinheirinho...

Porque é q estas Marias não dão dois tabefes na malta e dizem “ VOCÊ NÃO AXA QUE JÁ COMPROU DE MAIS???!!!” assim podia ser que com vergonha a malta saisse roxa mas de gatas sem força para carregar os saquinhos...
 
posted by Peste at 10:12 da manhã, | 2 Pestinhas
sexta-feira, novembro 24, 2006

Post escrito por Sónia Jeremias


Como já disse antes, aceito posts escritos por vós, seja sobre que assunto for.

Como tal, hoje temos uma estreia, a publicação de um post escrito por uma amiga minha já retratada anteriormente aqui neste blog.

Fica o texto na integra:

Minha querida amiga é tão bom reviver momentos da nossa vida com o entusiasmo que te tu escreves e relatas….

De facto sempre fomos miúdas que nos demos muito bem, tivemos em nossas vidas momentos bem marcantes para ambas, muita brincadeira, muitas gargalhadas mas também algumas lágrimas … afinal faz tudo parte da vida!

Ainda me lembro duma enorme bebedeira que apanhámos na Casa Velha e o Fausto com uma de cada lado… grande e desengonçado e com uma paciência enorme afinal tinha de dar vontade de fazer xixi logo às duas ahahahahahahahahaha

Lembro-me também da minha festinha dos 6 anos… todos a brincar a correr até que a Pala resolve mostrar os dotes artísticos ao tentar dar uma cambalhota… trás zás… caiu redonda no chão… forte como era só se viam os grandes olhos brilhantes e dizia vou até casa…. (nunca gostou nada de mostrar a parte fraca ahaha) claro que acabámos por nos divirtir.

Bem teria tantas histórias para contar que talvez pudesse passar aqui dias…. No fim de tudo apenas te quero dizer que serás sempre uma boa recordação na minha vida e, eu admito, apesar de ser uma desnaturada desejo-te a ti aos teu filhos e ao maluco do Fausto tudo de bom… continua com esse espírito, com essa força pois apesar do teu 1,5m és de facto uma GRANDE MULHER.

Um beijo enorme
 
posted by Peste at 9:52 da manhã, | 4 Pestinhas
quinta-feira, novembro 23, 2006

Natalose – parte II


Pois é... isto tem vários episódios...

Adultos... credo... comprar prendas é um desperdício de dinheiro e energia...

Nunca compramos algo que a pessoa precise, temos de acertar nos seus gostos, e acabamos por comprar uma bodega qualquer!!!

Bem faziam os mais velhos! O Belo par de peugas... alguma vez haveriam de servir...
Se não fosse pelo sorriso amarelo do destinatário juntamente com o murcho “ hãm...gosto muito.... estava mesmo a precisar”, acho que me tornava adepta desta prática...

Terminada a missão impossível... fico sempre a olhar para o calendário a contar os dias para o Natal com muito entusiásmo....

Essa é a parte que eu gosto do Natal... Confesso que sou uma criança grande... fico cheia de comixões e bixos carpinteiros para saber se as prendas que vou dar são do agrado e vão conseguir surpreender alguém.

Nas ante vésperas normalmente lembro-me sempre de alguém que me esqueci de contemplar com um presente... por isso usualmente... vou desesperadamente a alguma loja fazer de sardinha em lata.

Depois da logistica toda despaxada, saco para aqui saco para lá, prendas entregues e recepcionadas outras tantas, reparo que na minha casa... há sempre muito menos presentes dos que eu mesma comprei...

Começa a fase má...

...além dos kilos a abater...

O gajo lá de casa nunca sabe o que me oferecer... como tal o elemento surpresa que eu tanto prezo... desaparece... e ainda tenho de lhe mandar umas dicas pouco subtís do que eu desejo... O que dá azo a que na altura da abertura das prendas eu fique sempre... com o sorriso Peúga!!!

O Miudo vibra com os presentes que recebe... e normalmente os que mais gosta... são os presentes mais merdosos da loja dos chineses que alguém sempre lhe oferece, os que eu dei e que me custaram uma fortuna... ficam lá de lado até os favoritos estarem em cacos!!

O Gajo da casa... normalmente... e para meu gozo tb fica com o sorriso Peúga!!!
Porque chega mesmo a receber as meias, não são de raquete, mas são meias, e porque as suas prendas nunca são muito variadas, gravatas, camisas, perfumes e de vez em quando uma modernice que ele nem sabe bem para o que serve...

E eu fico sempre com a tristeza que não recebi nada de geito, gastei um dinheirão e a magia do incógnito foi-se com os papeis amarrotados!!!
 
posted by Peste at 2:48 da tarde, | 0 Pestinhas

Nataloze – A Doença do Consumo


Aproxima-se a época Natalícia, com tudo o que isso tem de bom e de mau.

O lado bom... para mim que sou gaja... e como tal honrro as calças que visto... e sou uma consumidora nata nesta altura é uma festa para mim...

Lavo a alma em lojas e lojecas, tenho uma lista prédefinida das infinitas prendas que quero oferecer, estipulo um valor médio por pessoa e lá parto eu à aventura...

A parte mais dolorosa... é a das crianças... enfio-me numa casa da especialidade, e penso cá para comigo “ Daqui não saio daqui ninguém me tira sem as 12 a 15 prendas que preciso”, corro os corredores numa investigação pormenorizada de preços e artigos que mais me convêm, vou enxendo o carrinho... no final... falta sempre uma ou outra prenda... bolas!!! Lá tenho de dar mais uma volta ao carrocel!!!

Recomeço... altero as prendas 2 ou 3 vezes... ou porque encontro mais barato ou mais adaptado à criança em questão.

Finalizada... e algo contrariada porque há uma ou outra prenda que gosto menos, mas já sem vontade de andar de carrocel novamente, parto para as caixas...

Aí como sempre... com o meu dedinho mágico... escolho a caixa que me parece mais rápida ou vazia... coisa que sempre... mas sempre... me engano...

As gajas das caixas devem pensar “Olha vem aí a croma vamos andar mais devagar e confirmar os códigos dos produtos barra por barra”

Quando já estou a definhar encostada ao carrinho chega na minha vez e lá vem a “dolorosa”, parto para a fase seguinte... Embrulhos!!!

Outro mundo encantado... dos 5 mil que estão à minha frente cada um tem mais caixinhas e caixecas que o anterior...

Como não sou muito paciente e ver aqueles dedinhos lentos e preguiçosos a dessenrrolar papel me dá uns frenicocos... vou normalmente à via mais rápida... Roubar papel!!! Depois deste assalto e completamente vencida pelo cansaço embico para casa.

Depois das 3 ou 4 incursões entre o carro e casa lá me sinto realizada com uns nomes na lista já mais reduzido (cofesso que o que me dá gozo é riscar nomes!!!), isto termina sempre da mesma forma :S Eu em casa enrrolada em fitacola e post-its e perdida no meio do papel!!!
 
posted by Peste at 2:41 da tarde, | 0 Pestinhas

Estes gajos estão mesmo a pedi-las!!!!




Ó meus amigos...zz..zzz!!!

Gostava de saber qual foi o criativo que se lembrou duma bodega de logotipo destes!!!!

Ou o Gajo é pedófilo ou gosta de ver o circo a pegar fogo... não digo que está a incitar à má conduta... porque isso é obvio!!!

Olhem se passa por ali um mais distraído!!!

Entra por ali a dentro desnorteado e em vez de pedir uma bica ao balcão... como nos cafés...pede um garoto!!!
 
posted by Peste at 11:38 da manhã, | 5 Pestinhas
quarta-feira, novembro 22, 2006

Natal


Hoje recebi um mail que faço a transcrição mais em baixo.

Eu que até sou adepta das boas acções (talvez para redimir o mau feitio), não o repassei ao contrário do que é costume, mas para não ficar com a cuca a pesar deixo aqui o dito... se este blog não é visitado e ninguém fica informado... ADC... que é como quem diz... “ Azar do Ca****mandro”

Mas é que estas acções de Beneficiencia... deixam-me sempre um amargo na boca...
1 Aério... pensamos nós... não é nada e pode ajudar muita gente...

A questão é... “ QUEM???”

Porque este Aério
Estimados Amigos... uma percentagem vai para os angariadores, outra tanta para as infraestruturas, e o gestor seja lá quem for ainda tem que fazer não sei o que, e no final... ninguém sabe bem para onde foi e quem recebeu os cinco cêntimos restantes deste Aério...

Mas para que não digam que eu tenho má lingua... fica em baixo o mail e façam do vosso entendimento o que quizerem.

Caros Amigos:
De 2 a 10 de Dezembro terão a oportunidade de fazer as melhores compras de Natal, na FIL, aos melhores preços.
É a Natalis - Feira de Natal e da Solidariedade de Lisboa!
Mas o melhor é que o preço da entrada é de apenas 1 EURO , e todo o dinheiro dessas entradas vai para beneficiência.
A receita de bilheteira reverterá, na íntegra, a favor das Organizações de Solidariedade Social presentes na Natalis.
Desde a gastronomia típica da época, até aos presentes mais excepcionais, passando pela decoração, poderá fazer excelentes compras, num só espaço.
Por favor, repassem este e-mail a todos da vossa lista, ou visitem o site da FIL em http://www.natalis.fil.pt/.
Um abraço,
 
posted by Peste at 10:31 da manhã, | 5 Pestinhas
terça-feira, novembro 21, 2006

Susana Paula Esteves Carvalho


A Susana... era um doce... sempre animada.
Sempre muito caprichosa... não sei se é do nome... mas com um feitio muito especial.
Sempre foi uma querida para mim, era a minha mãe na escola.
Tinha um namorado muito sério na altura, coisa de muito tempo e vários anos, algo para mim estranho...
Costumava ter problemas em casa com o padrasto, tinha um irmãozinho mais novo o André.
Anos mais tarde casou com o amor de sempre, fui ao seu casamento, e naquele dia, era a pessoa mais feliz do mundo, tinha um sorriso a iluminar-lhe o rosto como eu nunca a havia visto, senti-me igualmente feliz por presenciar aquele momento.
Depois seguimos caminhos diferentes, e quando já estava a trabalhar voltei a encontrá-la na Amadora, havia aberto uma loja de lingerie, coisa que não deu muito certo.
Mais tarde o marido o Sérgio, abriu-lhe um café no mesmo local.
Passei umas férias em casa deles, podia assistir como eram felizes, e eu tinha prazer de estar com eles, lembro que foi com eles que apanhei a minha primeira “tosga”, o Sérgio com a mania do licor de banana... conseguiu o impensável, visto que eu detesto alcool, credo... pouco recordo dessa noite... e ainda bem... a visita ao Estado Maior em caneças... não foi muito feliz.
Adiante... algum tempo depois... ainda sem filhos, ela decidiu divorciar-se... nunca percebi... tanto amor, tanto ciume desmedido e depois aquilo?! Lutar tanto tempo por um amor e depois... mas como amiga só tinha de tentar perceber e apoiar... mas perdi-lhe o rasto nessa altura novamente.
Soube que passou por momentos menos bons, andou com companhias menos boas, até que se juntou com um bombeiro e começou uma vida do nada.
Novamente voltei a encontrá-la e retomámos os laços, nessa altura vivia maritalmente com o Helder, tinha um filho do tamanho do meu (1 ano+-)... curiosamente... com o mesmo nome do meu!!
Ainda nos encontrámos algumas vezes, visitava-a regularmente lá para os lados do sobreiro, até que soube que mais uma vez teve um ataque... de não estar bem... e voltou a separar-se...
Voltou a começar do zero...
Voltou a juntar-se com um rapaz que trabalhava e vivia da noite, coisa que não aprovei, conhecendo a Susana como eu conhecia, a sua possessividade e carência... aquilo não me parecia com futuro... mas quem sou eu...
Perdi-lhe o rasto novamente... não só porque o Fausto se fartou da sua teimosia, mas também porque começou a axar cambalhotas e turras a mais.
Sinceramente... tenho pena de não saber dela actualmente, adoro-a bastante, gostava de estar mais com ela, mas também me sinto impotente face às suas tormentas e ao seu desiquilibrio sentimental.
Mãezinha... espero que estejas bem... beijos muito grandes, e tudo de bom para ti e para o teu Fabinho, espero que encontres finalmente o teu caminho e a tua estabilidade.
 
posted by Peste at 2:34 da tarde, | 0 Pestinhas

Alzeimer


... O tema como se vê... é a minha avó... a minha verdadeira mãe..
Faço por ir ve-la sempre que posso e o tempo me permite, tento não deixar muito tempo de umas visitas para outras, jámais me perdoaria se um dia ela se fosse embora e eu por preguiça ou por ter outros afazeres não me tivesse ido despedir dela...
... Mas a verdade... é que sempre que lá vou... olho para ela ali deitada como que a captar os ultimos momentos que me são permitidos a seu lado...e vejo-a cada vez mais débil e tomada por aquela doença rouba vidas... e quando parece que ela não pode piorar mais... piora sempre mais... e mais...
Fico longamente observando o seu corpo dorido o seu rosto cansado e em constante sofrimento... praticamente dormita o dia inteiro...
Aquilo rouba-lhe as forças a energia a vitalidade o descernimento.
Nem sei se ela mesmo sabe quem é... mal abre os olhos, fala cada vez pior, doi-lhe tudo e mais alguma coisa, ninguém lhe pode tocar que é um martirio...

E eu penso sempre o mesmo... que não a quero perder...

Mas a verdade é bem mais dura...eu já a perdi...

Perdi-a...

- Quando ela deixou de perguntar por mim e quando a visitaria...
- Quando deixou de me abraçar e beijar longamente quando me via
- Quando o seu sorriso por me ver deixou de aparecer
- Quando deixou de apertar longamente a minha mão contra ela
- Quando deixou de lamentar a minha partida
- Quando deixou de andar para me acompanhar
- Quando deixou de abrir os olhos para me ver chegar
- Quando deixou de me beijar o rosto e as mãos como fazia...
...
Mas somos sempre egoistas... e queremos manter aquela pessoa ali perto... e viva... e esquecemos de lamentar que a pessoa de outrora já se foi... o que sobra... é apenas o veiculo que nos transporta nesta vida.
E não devemos chorar apenas quando ele se vai... devemos chorar quando o motor principal falha... quando perde a direcção...

Como lamento minha avó... como te amo e amei e amarei... não há palavras...

Só queria que me conhecesses mais uma vez... quando fosse beijar-te o rosto e apertar-te a mão...
Só queria isso... só queria esses 10 segundos da tua lucidez... só queria esses 10 segundos da minha avó...


E como hoje não é um dia grande coisa... aproveito para deixar 2 mensagens... para as loiras da minha vida:

Sónia – Força e coragem... não procures demasiado por algo... porque podes encontrar em vez de uma peça preciosa uma cópia de muito pouco valor.
Quanto ao teu filho não esqueças que ele é que é o teu verdadeiro tesouro, luta para mantê-lo a teu lado e pela sua felicidade, pois afinal... a felicidade dos nossos filhos é a nossa também.

Quanto à loira nr 2:
Minha querida... a Subida nesta montanha é ingreme... mas não há que esmorecer... lá em cima está o teu prémio e o que buscas, não esqueças que atrás de ti estamos todos para te amparar, apanhar-te nas quedas, e se hesitares procura em nós a força que te falha, estaremos aqui para te empurrar.
E se te sentires cansada... olha lá para cima e vê como brilha o sol por cima do teu paraíso, verás que te revigoras e a pulso conseguirás alcansá-lo.

Beijos grandes às minhas queridas e estimadas amigas.

Beijo grande para a minha amada avó.
 
posted by Peste at 11:07 da manhã, | 2 Pestinhas
segunda-feira, novembro 20, 2006

Inês Fernandes


A Inês é também uma colega do secundário, magrita e pequenita.
Pessoa simples sem grandes vaidades, divertida o único defeito é que falava que se descabelava... tinha que ficar sempre com a dela por cima.
Morava nos arredores da escola, e por vezes o passatempo era ir para sua casa preparar uns cocktails menos aconselhados... Era tudo o que se apanhasse lá por casa, martini, café, limão etc.
Numa dessas incursões a sua casa, depois de algum farrobadó e confusão, um dia ela e o Paca, acharam que o hamster estava mortinho de frio... então toca de aquecer o bichinho no bico do fogão... coitado lá ficou o bixano sem os bigodes!!!
Foi com ela que comecei a fumar... Duas tontas... Numa de experimentar compramos as bombas algures e toca de ir fumar para trás dos pavilhões lá da secundária, patetas... se fosse uma coisa boa não teriamos de nos esconder, mas a juventude só tem estas atitudes malucas... experimentar o proibido.
Gostava muito da Irmã dela e da mãe, a mãe sempre muito solidária e cumplice.
Chegamos a encontrar-nos em Milfontes de férias, muito bons tempos.
Casou com o Emanuel e teve uma filha, linda a criança, ainda a vi umas duas ou três vezes mas depois perdi-lhe o rasto.
Decerto que deve ter tido mais um filho.
Beijos Inês, tudo de bom rapariga.
 
posted by Peste at 2:31 da tarde, | 0 Pestinhas
sexta-feira, novembro 17, 2006

Paca


O Paca também foi meu colega de escola por dois anos, também a Dina cruzou a sua vida.
Como eu gostava dele... sempre bem disposto, um rapaz com quem mais gostava de brincar, aliás era por causa das brincadeiras com ele que se ouvia tantas vezes a clamar por Dinaaaaaaaaaa.
Desde balões de àgua, a arranhadelas, dedos torcidos, todas as partidas eram permitidas.
Andava sempre atrás dele, e só tenho pena de não ter conseguido cortar o rabixinho de cabelo que ele ostentava sempre com tanto orgulho, mas vos garanto... que as tentativas foram mais que muitas.
Mas era um amor de pessoa, sempre brincalhão mas com uma maneira terna de ser... e como ele me aturava... tinha cá uma paciência....
Doces anos!!
Tenho pena que nos dias de hoje não consigamos manter uma amizade, talvez devido a demasiados mal entendidos entre nós... como tenho saudades daquelas idades, em que tudo era tão mais fácil de falar e entender.
No entanto, apesar da nossa última conversa não ter sido das melhores, guardo dele o maior carinho e lembranças que me acompanharão sempre.
Não sei nos dias de hoje como está a sua vida... No entanto... desejo-lhe todo o amor como ele merece, é um encanto de pessoa e todas as coisas boas devem passar por ele.
 
posted by Peste at 2:41 da tarde, | 0 Pestinhas

Dina Venâncio


Dina Venâncio

A Dina, era uma colega de escola, foi minha colega por 2 anos.
Moça recatada, era a minha mala, andava sempre comigo, para onde eu fosse lá ía ela também... umas vezes com pouca vontade... mas como eu era persuasiva e sempre tive uma personalidade um pouco “vincada”... a rapariga lá ía...
Sei que me achava graça talvez por isso mesmo me aturasse os humores.
Gostava imenso dela, sempre muito calma, e quando me metia em confusão ou brincadeiras que não me conseguia desenrrascar lá se podia ouvir: “ Dinaaaaaaaaaaaa”
Ela tinha uma queda por um rapaz que lhe havia dado tampa... e já sabem como é... quando não somos nós a deitar as coisas para trás das costas ficamos sempre com aquilo entalado na graganta... muitas vezes mesmo que a paixão acabe... a cena do “mal resolvido” dá-nos sempre uma ideia de desconforto.
Ela gostava e sabia tocar acordeão... naquela altura eu axava aquilo o máximo... eu que nunca soube tocar porra nenhuma...
Os nossos trabalhos em grupo... eram tudo menos trabalhos... e depois de algumas tardes de fazer népias... acabavam sempre na mesma... dividiamos os afazeres e cada um que fizesse em casa!
Mas guardo dela bons momentos...
Vi-a anos mais tarde lá pelo Cacém, axo que namorava com um rapazito de lá, mas depois disso... never again.
Dinaaaaaaaaaaa se me estiveres a ouvir... beijo grande para ti minha querida e tudo de bom na tua vida.
 
posted by Peste at 2:24 da tarde, | 0 Pestinhas

A relembrar - Muito de Mim... um pouco de vós!


de vez em quando vou recordando este post, para os distraídos, para recordar o que se retrata aqui:

Muito de Mim... um pouco de vós!

Caríssimos...
este meu blog, vai servir para escrever tal como todos os outros, não terá um tema especial, falará de pensamentos, emoções, factos e até talvez alguns poemas, no entanto, vou dedicar alguns dos meus posts a todos vós, porque desde que nascemos as pessoas vão entrando nas nossas vidas sem pedir licença, e algumas marcam-nos mais do que outras dependendo de como se relacionam conosco.

Como tal, meus amigos que nunca pensaram estar postados em blog, se passarem por aqui, verão os vossos nomes e talvez nicks blogados.
A intenção disto, não é dizer nem bem nem mal de ninguém, apenas para que fique registado... um pouco de mim e muito de vós.
Nem sempre as palavras serão agradáveis, nem sempre carinhosas, serão apenas pensamentos actos e experiências, porque se fosse um livro seria tremendamente enfadonho, e assim não é livro e é de fácil consulta e tentarei lembrar-me dos melhores momentos de cada um de vós.
Se ouver pessoas que não sejam visadas, e se quizerem ser visadas... digam-me, tentarei como a todos os outros blogar o melhor que possa.
Se ninguém ler isto... talvez não perca nada, mas se alguem for ao google colocar o seu nome e vier parar aqui... é porque em algum momento se cruzaram na minha vida.
A todos vós... um bem haja.
 
posted by Peste at 2:09 da tarde, | 0 Pestinhas
quarta-feira, novembro 15, 2006

Sónia Jeremias e não Geremias!!!


Sempre o dilema do J com o G... raios... afinal qual a diferença não se lêm os dois igual???
JE ou GE?
A Sónia... estará para sempre no meu coração...
Desde sempre que a conheço... crescemos juntas... nem sempre estivémos juntas... mas tenho dela as melhores recordações.
Lembro tantas vezes que todos os dias a ía acordar de manhã, quando ía ao pão, não havia dia que não passasse por lá e ficassemos um bom pedaço a falar de tudo...e de nada... tonterias...
Foi através dela que chegou o meu 1º namoro de infância... O pedro dos reboques... era o must lá da rua... todas o idolatravam... menos eu nessa altura... até a Sónia teve um crash por ele.
Ainda hoje me chama como a minha avó chamava... “Pála...” ainda hoje lembramos isso... quando a ti Balbina ía à rua à minha procura para ir para casa, e eu me escondia para que não me encontrasse, hehehe
Quando já grandes... era uma das que ía para todo o lado comigo e com a Cláudia, hehe boas alturas, cada uma saía de casa com os seu trocos, a 1ª coisa que verificávamos era quanto cada uma havia conseguido, somávamos e verificávamos se dava para o tabaco, cafés e snoker.
Cada uma tinha um feitio especial de ser, cada uma tinha os seus amores e desamores, todas nos amparávamos, só lamento dessa altura... os maus entendidos que outras conseguiam semear... porque nas amizades o 3 não é aconta que Deus fez... e como tal, o usual era entre mim e a Sónia haver sempre grandes mal entendidos.
Mas mesmo com tanto contratempo, conseguimos manter o contacto, conseguimos ultrapassar todos os espinhos que semearam entre nós, e dela apenas guardo... muito, muito carinho.
Lembro-a sempre com um sorriso na boca, era louca... sempre muito extrovertida, por vezes demais, era complicado conseguir parar o seu humor.
Mas também... quando tinha uma desilusão... sofria como uma Madalena!!! Irra mulher... tanto amor para quê???
Hoje a Sónia tem um filho, está a passar por um divórcio menos feliz, coisa que lamento imenso... pois é uma miúda fantástica e merece tudo de bom.
Tenho pena que essa loira não seja mais loira... agora pinta a peruca... deve ser para parecer mais esperta... mas não fiques triste... apesar de seres loira aguada... eu gosto muito de ti, dá cá um abraço sua loira!!!
Beijos grandes minha querida... para ti... um caminho cravejado de diamantes... mas cuidado... nem tudo o que luz... é ouro.
 
posted by Peste at 3:02 da tarde, | 1 Pestinhas

Susana Correia


Prima de empréstimo, filha da tia Eulália e do Tio Joaquim, irmã da Elsa.
Tem menos um ano que eu.
Fez sempre parte da minha infância, e era uma das crianças com que eu brincava frequentemente, sempre tivemos algumas diferenças, não sei ao certo porquê.
Na adolescência continuámos com um relacionamento próximo, embora cada uma tenha escolhido outras pessoas para um relacionamento de amizade.

Anos volvidos, ela casou nasceu o Rafael, e só nos viamos muito esporádicamente em visitas familiares.

Hoje, estamos algo mais perto... (não tanto como eu gostaria... queria poder dar-lhe mais apoio), porque houve um facto muito triste na sua vida, dei um passo para me aproximar, para que ela soubesse que as coisas que sempre nos separaram são insignificantes, e são apenas isso mesmo... tonterias de miúdas, hoje olhando para trás, nada disso foi importante, nada disso conta.
Lamento profundamente o sucedido e o seu sofrimento, sei que ela gostou que eu tivesse voltádo à sua vida, tal como eu, e não desejo a ninguém que passe pelo que ela passou...
Neste momento, gostaria de poder estar mais a seu lado, e ajudá-la de alguma forma... a amenizar a sua dor... sei que não se esquece nunca... mas a vida segue em frente, e ela ainda é muito jovem, tem um filho que é uma criança muito esperta e vivaça, e é nele que ela tem que ir buscar forças para continuar e por ele também...
Susana... se algum dia leres este post... quero que saibas que lamento... lamento tanto...
Mas como te disse uma vez... acredita que há uma estrelinha lá no cimo... a mais brilhante delas todas... que te olha e que te ama... não a desiludas.
És uma mulher agora, ergue essa cabeça, coloca o sorriso mais bonito e vai à luta... pelo que é teu, pelo teu filho e por todo esse futuro que tens pela frente.
Beijo grande... e tudo de bom de agora em diante...
 
posted by Peste at 2:18 da tarde, | 0 Pestinhas
sexta-feira, novembro 10, 2006

Tia Eulália e tio Joaquim


Estes tios tal como os anteriores, são de empréstimo.
A tia Eulália é uma mulher despachada, prestável, amiga de ajudar e com uma personalidade muito forte e muito moderna.
O Tio Joaquim é mais sereno e calmo e tem sempre um ar de que está tudo bem.
Têm 2 filhas a Elsa com 40 anos +- e a Susana com 29.
Moram ao lado da vivenda da tia Fátima e partilham de um quintal comum que fazia as delícias da criançada, as flores é que sofriam um pouco... tinha (e tem) um poço, mas na altura era uma das diversões, retirar a àgua para a avó regar.
Ainda hoje este quintal faz as delícias das crianças... mas já é da geração seguinte.
Estes tios também pertenciam aos ajuntamentos festivos da famíla, era sempre uma alegria.
Também nas férias costumavamos estar sempre juntos, que alegria para as crianças.

A Tia Eulália frequenta assiduamente a casa da minha tia, não só porque a filha mora no andar de baixo, mas também porque costuma visitar sempre que pode a minha avó, e oferece-se sempre para ajudar... faz coisas que os próprios filhos não fazem... e a ela só tenho a agradecer, tenho-lhe uma grande estima.

Para vós tudo de bom, um beijo muito grande e têm um cantinho especial no meu coração.
 
posted by Peste at 2:58 da tarde, | 0 Pestinhas

Tia Fátima e Tio Alexandre


Estes tios são chamados de empréstimo, porque são da família do meu tio, como tal a mim não me são nada por laços de sangue, mas como fui criada com os meus tios, os tios dos meus primos ficaram meus também (confuso???).
A tia Fátima sempre a conheci de cabelo muito branco com um ar calmo, dócil, amiga e ternurenta.
O tio Alexandre, carequita dizia muitas vezes “rápido” em alemão para nos apressar, tambérm tem um ar sereno e calmo.
Viveram alguns anos na Almemanha, quando cá vinham de férias traziam uns rebuçados fantásticos, quando tinha eu uns 9 a 10 anos vieram definitivamente, tinham uma mercedes laranja de 9 lugares enorme, ainda hoje a têm, como tal costumavamos fazer fazer passeios em família e era o delirio... o único senão era a condução do tio Alexandre... que em cada viagem dava aos estômagos mais fracos 2 a 3 enjôs...
Têm 4 filhos, a Tina o Vitor o Paulo e o Luís, O Paulo e o Luís é que eram mais da minha idade, como tal adorava ir para casa deles brincar, e também havia a Susana que morava lá ao lado, como tal eramos 4, todos com diferenças de 1 ano.
Estes tios adoravam organizar festas de Natal, Carnaval, Páscoa, Ano novo, havia sempre almoço lanche e jantar com todas as famílias reunidas numa mesa, aliás 2 mesas a dos “miúdos” era sempre à parte ao lado da grande mesa que ainda hoje possuem e que ocupava toda a sala.
Estas festas costumavamos dizer que eram como a dos ciganos, duravam conforme os dias... era até a comida esgotar, eu adorava... era paródia de manhã à noite... bons tempos...
Um ano quando a Tina começou a namorar com o Carlos ainda se fez... mas as coisas começaram a azedar entre ele e o meu primo Toninho... como tal... desistiram em favor da nova família que se estava a formar, os miúdos também deixaram de ser crianças... e começou a não haver a piada de outrora.
A avó Maria morava com estes tios, tomava conta das crianças na nossa altura, e depois ainda tomou conta dos miúdos da Tina... mas a idade não perdoa e a saúde foi escasseando.
Hoje quase nunca os vejo, a não ser quando vou visitar a família e os encontro.
Dá-me uma certa nostalgia pensar nos belos tempos de infância que passei perto deles, sem dúvida que foram bons.
Para vós... tudo de bom.
 
posted by Peste at 2:28 da tarde, | 0 Pestinhas
quarta-feira, novembro 08, 2006

Avós maternos - "bichos"


A vontade de escrever sobre esta malta... é nenhuma...
Mas enfim...
A velha... quando era nova era uma bêbeda de andar por aí aos caídos...
Aproveitava e partilhava os namorados da filha, uma porcaria mesmo mesmo
Contam que um dia o meu pai se zangou com ela... deu-lhe um murro partiu-lhe os dentes, hihihi, só se perderam as que não levou.
Pessoas rudes sem educação, sem formação, má rez, nunca deram nem caminhos nem educação aos filhos...
Um dia resolveram ir para a Suíça trabalhar, então pensaram que se tornaram Lordes, contriuram uma vivenda e recheram, mas macaco pode vestir-se de seda que nunca passará do que macamo mesmo.
Nem me vou alongar nem tentar recordar porcaria nenhuma sobre estas pessoas... não merecem os minutos que aqui estou a perder.

Raios que vos partam ou rios que vos afoguem.
 
posted by Peste at 4:15 da tarde, | 0 Pestinhas

Padrinho Mário



O meu padrinho também era uma pessoa super doce e terna, alto entroncado e com uma carequita que fazia as minhas delícias, adorava meter-me com ele, fazer-lhe festinhas na careca, cócegas etc, ele dizia que era um ringue de patinagem.
O meu padrinho foi um grande amigo do meu pai e também sofreram muito com a sua morte.
Adorava ficar perto dele, tinha sempre um carinho para mim, um amor de homem, claro que tinha os seus defeitos, mas não para mim.
Na altura do casamento e dos namoros, as visitas tornaram-se nulas, há sempre algo para fazer que nos anula as visitas de cortesia... E quando olhamos... é demasiado tarde...
Anos mais tarde creio que o Fábio inda não teria um ano, soube que ele estava no hospital muito doente, resolvi por as pernas a trabalhar e fui lá visitá-lo, axo que na altura não sabia bem o que ele tinha...
Foi uma das piores desilusões da minha vida...e vou lembrar para sempre a minha entrada em “slow motion” no seu quarto de hospital que ele partilhava com mais 5...moribundos...
Quando penso ainda as lágrimas me turvam os olhos... O homem outrora cheio de vitalidade, alto, forte e entroncado... não era mais... do que alguém prostrado numa cama, com grandes olhos e uma careca... a careca axo mesmo que foi a única coisa que ele trouxe do outro homem... magrissimo de fazer pena... nem em pé conseguia estar... era cancro... na garganta, mesmo no cruzamento com o sistema respiratório... nada a fazer...
A minha madrinha tinha nos olhos um misto de tristeza profunda com alegria por me rever... Antes não fosse esse o motivo.
Fiquei de rastos, nunca pensei que o ser humano podesse ficar assim em farrapos... Ninguém merece...
Isto foi em Abril, muito perto do meu aniversário, ainda o visitei mais uma ou 2 vezes, não preciso agora, era de partir o coração, ele já não comia há bastante tempo, era alimentado por sonda directamente para o estômago, a minha madrinha disse-me na altura que ele coitadinho tinha tantas saudades de comer... falava sempre numa sandes de chouriço, e quando dormia sonhava com comida e até mastigava...
Ninguém merece... Viveu só mais uns dias... e depois partiu... ao menos parou de sofrer...
Faleceu um dia depois do meu aniversário, sei que o que vou dizer é mau, mas cheguei a ficar feliz por não morrer no meu dia de anos, já tenho essa experiencia na familia, não que seja menos doloroso a sua ausência, mas ao menos não se festeja num dia em que um dia perdemos alguém...
Beijos grandes meu querido... que saudes tuas meu parinho... Amarte-ei sempre, e obrigado por um dia me teres dado a mão quando passeámos... é uma das coisas boas que guardo comigo.
 
posted by Peste at 4:11 da tarde, | 0 Pestinhas

Madrinha Josefina




Gorduxita doce, sempre muito bem disposta, uma das coisas que melhor a caracteriza é a gragalhadinha Josefina.
É uma pessoa muito glico-doce.
Quando eu era pequena a unica coisa que detestava nela era os aniversários... Irra que era sempre uma coisa... para o enxoval!!!
Ora uma toalha, ora uma colcha, lencóis, turcos... enfim... uma desilusão para a criança.
Claro que quando comecei a montar casa foi-me útil, mas naquela idade, qualquer coisa seria melhor do que tralha que axamos que nunca vamos usar.
Lembro perfeitamente de a visitar muitas vezes com a minha avó, adorava meter-me com ela para depois ela retaliar com cócegas, era a pequenita dela.
Ainda morei um tempinho em casa dela quando o meu pai saiu de casa da outra vagabunda, mas a coisa não deu certo, o meu pai axava que ele era meu pai como tal era ele que mandava, os meus padrinhos pelo contrário, como estava em casa deles a decisão passava por eles... então a coisa não se deu e fui parar a casa dos meus tios, e ainda bem.
A minha madrinha tem 2 filhos o Jorge e o Mário, ambos trilharam uns caminhos pouco felizes, mas a alegria dos olhos da minha madrinha são os netos, especialmente a mais velha que ficou a viver com ela depois dos pais se separarem.
Hoje a Josefina é viuva, sofreu muito com a partida do meu padrinho, vive só, não é pessoa de grandes posses mas não pede mais do que ver os filhos felizes e encaminhados.
Tenho-lhe um carinho especial, e só tenho pena que às vezes a vida siga e que deixamos certos relacionamentos para trás, ora porque não temos tempo hoje, ora porque não dá geitinho... e no fim quando olhamos para o lado... as pessoas já quase não fazem parte da nossa vida. Tenho pena... muita pena que assim seja.
A ti minha querida, beijos grandes e com imensa saudade, continua a lutar como sempre fizeste.
 
posted by Peste at 3:58 da tarde, | 0 Pestinhas

Líquidos


Agora com a entrada em vigor das novas normas da comunidade nos Aeroportos de transporte de líquidos por passageiro ser alterado...
...em vez de se ouvir apenas o usual "Xixi Cama" passamos também a ouvir no Check In "Xixi avião"...
 
posted by Peste at 2:36 da tarde, | 0 Pestinhas

IMPOSTO


...Antes de sair de casa estava a ver a informação na RTP...

Apareceu por lá um Sócrates a dizer que ía aumentar os impostos aos bancos!!!

Ufa... desta tou safa pensei...inda bem que cá em casa só há cadeiras!!!
 
posted by Peste at 9:14 da manhã, | 0 Pestinhas
terça-feira, novembro 07, 2006

Gostamos é da DESGRAÇA!!!



Eu já não gosto nem costumo ver os concursos de dança ou canta de nenhum canal ...
Mas para quem vê... aqui fica um testemunho...
No Domingo passado quando a TVI exibiu o programa de cancionetas com o intuito de ajudar pessoas desfavorecidas, (como aliás é sempre faz e lhe é característico... Onde há desgraça lá está a TVI), havia milhares de pessoas chorosas a assitir o programa, sempre enternecidos pelas desgraças alheias... ora uma dessas pessoas... Não era eu q já disse que não vejo essas porras... mas era a 2ª gaja lá de casa (o maridão), ele que gosta de novelas e desgraças, e como tal estava a assistir ao programa....
Até aqui... menos mal...
Pior...pior... foi depois...
Axo que houve um testemunho de um senhor, que ganhava 400€, tinha 3 ou 4 filhos e muitas dificuldades nomeadamente precisava de uns óculos e não tinha 70€ para os adquirir.
Quase lavado em lágrimas, o gajo (tenho que lhe arranjar um nick adquado), muito sensibilizado resolve fazer a boa acção do dia... e aí é que as coisas se complicaram...
Como ele se move bem no mundo da optica, estava disposto a patrocinar essa necessidade ao Sr...
(Isto enquanto decorria o programa)
Ligou para as informações a pedir o nr da TVI.
Ligou para a tvi muito prestativo ... com um.. queria gostaria...
...”Ai e tal isso num é aqui”... pimba para outra pessoa
... “ai e tal não faço ideia... o melhor é ligar amanhã... para falar com não sei muito bem quem...”

Isto deixo-o com um misto de impotência face ao sucedido e revolta pela incapacidade de resposta por parte das pessoas que supostamente procuram melhorar a qualidade de vida de alguém...
Ainda mandou um mail a alguém da tvi e foi ao site tentar improvisar com alguém, mas eles devem ter um recycle Bin ligado às mensagens enviadas e não resolveu coisa nenhuma... Népia... Nicles!!!

E em vez de uma familia Chorosa obtivemos 2!!!

Afinal o intuito da TVI não é ajudar ninguém, mas sim ganhar audiências e colocar uns milhões a abanar a cabeça negativamente e de lágrima no canto do olho... devem ter alguma cota de mercado na venda de lenços de papel... pois quanto a mim só ganham uns trocos se também tiverem cota no papel higiénico!!!

Resumindo...
Querias não querias??? De boas intenções está o inferno Cheio!!!
 
posted by Peste at 12:19 da tarde, | 2 Pestinhas
sexta-feira, novembro 03, 2006

Primos Pestes – Peter/ Richard e Liana


3 verdadeiros Diabos, filhos dos Capetas!!!
Mal educados, egoistas, não respeitam nada nem ninguém.
A unica coisa que gosto nestas pestinhas é que estão a dar à mãe o pagamento de contas que ela deve... a muita gente... e espero que anida a façam penar bastante.
O Peter deve ter uns 16 anos, o Richard uns 15 e a Liana uns 11 +-, são tudo previsões porque na realidade não gosto de privar com esta parte da família.
Como tal, não tenho nada mais a dizer deles a não ser que lá longe é que eles estão bem.
Continuem meus amigos... que a vida não é fácil para ninguém e vocês vão descobrir isso.
 
posted by Peste at 2:14 da tarde, | 0 Pestinhas

Primo Jonh



Tadinho do Jonh...
Teve uma infancia atribulada e a vida não foi fácil...
Quando tinha 5 meses foi abandonado em espanha pelos pais e deixado aos cuidados dos avós paternos.
Talvez essa até tenha sido a melhor parte da sua infância...
Quando tinha uns 8 a 9, a mãe foi buscá-lo, porque assim o estado Inglês lhe daria uma casa... aí começou o tormento... um menino de ouro para os avós começou a sofrer... e bem...
Uma vez veio cá de férias, teria 9 anos +-... e vi com os meus olhos a barbaridade porque passava, era acordado à estada pela velhaca.
Batia-lhe por tudo e por nada, a criança não podia dar um “ai”, levava cada palmadão... porque estava a estudar e não podia olhar para o lado, porque estava a tomar banho, porque não podia comer nada, porque estava a dormir... uma verdadeira tristeza...
Era um revoltado tadinho...
O toninho esteve uns tempos em casa deles em Londres e conta ainda hoje, que se desaparecesse um chocolate do frigorifico pimbaaaaa já o Jonh estava a “comer”, e muitas vezes não era ele que o devorava...
Uma vez também, soube que a cabra lhe bateu tanto que ele precisava de cuidados médicos... mas com medo do estado lhe retirar a criança e os benefícios, fechou-o em casa e nada de tratamentos...
Assim que pôde, quando casou novamente, colocou-o num colégio, fugia sempre que podia, fazia maldades às meninas, enfim... não foi fácil... e depois começaram a nascer os irmãos e ele a ver o tratamento que não era igual... os outros eram os meninos da mamã...
Quando adolescente, andou muito tempo fugido de casa, sabe-se lá por onde andou... meteu-se na droga, roubou, andou fugido da polícia, uma miséria.
Hoje sei que tem 2 ou 3 filhos, borrifou-se na mãe, e pouco mais...
A ti John tudo de bom meu querido... que consigas seguir o teu caminho na direcção certa.
 
posted by Peste at 2:04 da tarde, | 0 Pestinhas

Manel – Marido da Odete


Este Manel, já entrou na minha vida... não sei precisar há quanto tempo...
Quando veio a primeira vez para conhecer a família da mulher, era um derretido para tentar conquistar o seu espaço no seio da família... talvez por isso nunca me tenha inspirado confiança nenhuma...
Ninguém é tão dócil e cheio de sorrisos assim... ainda para mais ele... que olhando para ele se percebe que é um grunho e nem com aqueles olhos mortiços engana... Como não gosto de pessoas dissimuladas... ficou logo marcado, preferia que se tivesse apresentado como na verdade é, cada um tem de ser como é, ou se gosta ou não se gosta, não é a fazer passar-se pelo que não é que cativa alguém.
Pelos vistos não me enganei... A Espalhafatosa D. Odete passou a andar com acrista mais baixa e mais mansa... já não levanta a garupa como antes... se não se porta bem... não sei não...
Este não é o bananão do Florêncio...
A familia dele é de Montemor-o-novo, e por lá compraram uma casinha, o que é optimo, pois assim quando cá vêm não vão fazer acampamento cigano para casa da minha tia Clotilde, quando isso acontecia anteriormente ninguém estava a salvo... Os putos são umas pestes, desde cascas de banana que atiravam da varanda aquem passasse, a cuspir o Guarda Noturno que coitado só ía lá buscar a cota...e teve o azar de tocar à campainha em hora de actividade máxima dos pestinhas... enfim... acontecia de tudo.
Resumindo este tio nem me aquece nem me arrefece, que continue lá longe e não venha cá para muito perto... pois mais me arrefece do que me aquece...
Mantém mas é as crianças e a Odete na ordem e o resto é conversa.
 
posted by Peste at 10:56 da manhã, | 0 Pestinhas